Cuiabá, 25 de Junho de 2024

INTERNACIONAL Segunda-feira, 10 de Junho de 2024, 16:06 - A | A

Segunda-feira, 10 de Junho de 2024, 16h:06 - A | A

Conflito no Oriente Médio

Conselho de Segurança da ONU aprova proposta de cessar-fogo em Gaza

Proposta foi liderada pelos Estados Unidos; plano de três fases prevê cessar-fogo imediato e temporário e trabalharia no sentido do fim permanente da guerra e da reconstrução do enclave

O Globo e agências internacionais

O Conselho de Segurança da ONU aprovou, nesta segunda-feira, uma proposta de cessar-fogo para o conflito entre Israel e o grupo terrorista Hamas na Faixa de Gaza e libertar os reféns israelenses no enclave palestino. A resolução, proposta pelos Estados Unidos e pressionada pela administração Biden, foi aprovada por 14 votos a favor, nenhum contra e com a abstenção da Rússia. Para ser aprovada, a resolução necessitava de ao menos menos nove votos a favor e nenhum veto dos membros permanentes do órgão.

O plano de três fases começaria com um cessar-fogo imediato e temporário e trabalharia no sentido do fim permanente da guerra e da reconstrução de Gaza. O presidente americano, Joe Biden, disse que Israel apresentou o plano e o Hamas sinalizou que está aberto aos termos apresentados, mas nenhum dos lados disse em definitivo que aceitaria ou rejeitaria o plano.

Um dos principais pontos de discórdia é se o acordo permitiria ao Hamas permanecer no controle de Gaza — um cenário que o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, descreveu como uma "linha vermelha".

Outra questão diz respeito ao momento preciso e à logística de um cessar-fogo. Netanyahu disse que Israel lutará até que as capacidades governamentais e militares do Hamas sejam destruídas. Mas o Hamas tornou qualquer progresso num acordo de reféns condicionado ao compromisso israelense de um cessar-fogo permanente e da retirada total das suas tropas de Gaza.

A proposta liderada pelos EUA "traria um cessar-fogo total e imediato com a libertação de reféns", disse Nate Evans, porta-voz da missão dos EUA nas Nações Unidas, num comunicado no domingo. O presidente americano endossou a proposta no mês passado, a qual ele disse ter sido oferecida por Israel, "e o Conselho de Segurança tem a oportunidade de falar a uma só voz e apelar ao Hamas para fazer o mesmo", acrescentou Evans.

No domingo, um novo desenvolvimento na política interna de Israel — a saída de um partido centrista do Gabinete de emergência de Netanyahu durante a guerra — parecia provavelmente complicar as negociações de cessar-fogo.

O líder do partido centrista, Benny Gantz, aumentou a credibilidade internacional do governo de Netanyahu. Gantz apelou a um acordo de cessar-fogo e pressionou por um órgão administrativo — apoiado por americanos, europeus, palestinos e outros árabes — para supervisionar os assuntos civis na Gaza do pós-guerra. Analistas dizem que a saída de Gantz pode encorajar os parceiros de extrema-direita na coalizão governamental de Netanyahu, que ameaçaram derrubar o governo se ele avançar com a última proposta.

A declaração da missão dos EUA no domingo aludiu ao futuro pós-guerra de Gaza, dizendo que o acordo de cessar-fogo levaria a "um roteiro para acabar totalmente com a crise e a um plano de reconstrução plurianual apoiado internacionalmente". A declaração não forneceu mais detalhes nem explicou como Blinken planeja vender o plano a Israel e outras partes da região durante sua viagem de três dias ao Oriente Médio, que começou nesta segunda-feira.

A política de elaboração de um acordo de cessar-fogo realista é extraordinariamente complexa. Um grande obstáculo tem sido os Estados Unidos, membro permanente do Conselho de Segurança. Vetou três resoluções de cessar-fogo desde o início da guerra em Gaza, em outubro passado, incluindo uma proposta pelo Brasil.

No mês passado, um responsável dos EUA disse que Washington também planejava bloquear um projeto de resolução da Argélia que descrevia Israel como uma "potência ocupante" em Gaza e apelava à cessação imediata da ofensiva militar israelense na cidade de Rafah.

Comente esta notícia